Azulejos Voadores

domingo, janeiro 21, 2007

sexta-feira, maio 26, 2006


Podemos começar de qualquer lado que tanto faz.
Havemos de chegar lá. Não me perguntes onde.
Quando chegarmos saberás.
Agora é cedo para perguntar.

segunda-feira, abril 03, 2006

Sopro



Nunca quis saber nunca quis acreditar
Que tu irias partir não podias cá ficar
Nunca quis escutar muito menos quis ouvir
O teu silêncio que avisava a intenção de não voltar
Podes crer
Bem que me disseram para nunca me agarrar a uma pessoa a um lugar
Podes crer
Se um homem nunca chora para que servem estes olhos se não podem mais te ver
Queria ver queria saber
O que fazias tu que estás aqui a observar
Tás a ver tás a perceber
Pode ser que um dia a gente volte a se encontrar
Agora embora, agora sem demora
Deixa-me ficar aqui sozinho p’ra pensar
Embora agora que a minha alma chora
Como disse alguém
Vou-me perder para me encontrar



Donna Maria
Dois Lados do Mesmo Adeus

segunda-feira, fevereiro 20, 2006



Azulejos. Como pensamentos. Com asas.
Azulejos voadores...